Como escolher perfil de modelo para minha loja?

Uma publicidade bem feita pode gerar muitos impactos positivos. Por isso, os ícones usados em uma campanha devem criar a conexão certa com todo o resto, a fim de que haja uma coerência.

E é aí que muita gente se perde. Dessa forma, não é raro encontrarmos empreendedores aflitos, com a seguinte pergunta: qual é o perfil de modelo para minha loja?

Ao escolher alguém para representar a marca, automaticamente você está vinculando essa pessoa ao seu negócio. Por essa razão, a seleção não deve ser feita de maneira aleatória — principalmente nos dias de hoje, em que muita gente utiliza as redes sociais.

Por que estamos destacando isso? Primeiro, porque esse é um passo importante, afinal a publicidade existe para criar desejos e o modelo é o seu ponto de atração. Ou seja: a escolha adequada pode atrair uma atenção positiva. Mas, caso contrário, você se verá em uma avalanche de críticas.

Se sua loja vende lingeries para mulheres plus size, por exemplo, o ideal é que esse público se veja representado, pois não faz o menor sentido utilizar personagens que não se enquadrem nesse perfil.

Listamos 5 dicas para ajudar você a fazer uma seleção correta. Confira!

1. Conheça o consumidor de seus produtos

A pior estratégia, certamente, é aquela que não consegue estabelecer qualquer ligação com o público-alvo. Não adianta escolher um modelo apenas pela beleza, se ele não consegue transmitir aquilo que se espera.

As ferramentas de hoje permitem realizar uma pesquisa bem abrangente. Por meio dos softwares, conseguimos traçar a representação de nossos potenciais clientes.

Dessa forma, faça uso desses recursos para saber o que eles esperam, descubra os lugares que frequentam e as ocasiões em que utilizam a sua marca. Enfim, desvende-os.

2. Defina o conceito

Qual é o perfil de modelo ideal para minha loja? Esse é um questionamento que abre precedentes para outras questões:

  • Quais cuidados devem ser tomados antes de optar por esse ou aquele?
  • Qual é a imagem que eu quero passar para o consumidor?
  • O modelo tem a ver com a mensagem da campanha?
  • Quais são as características que mais atraem o meu público-alvo?

Antes de partir para a seleção do personagem da campanha, você deve considerar os atributos que mais atraem o seu público. Isso porque, apesar das pesquisas de marketing considerarem o consumo como carro-chefe, a parte estética soma muitos pontos.

Até pouco tempo, a indústria quase não disponibilizava produtos para as pessoas de cabelos crespos ou cacheados. Mas, quando as empresas perceberam aí uma oportunidade, trataram de fazer o alarde com as referências que atendiam à necessidade desse nicho.

O mesmo ocorre quando uma marca de joias, cosméticos e afins convida a Gisele Bündchen para participar da campanha publicitária. Ela, além de ser uma estrela conhecida no mundo todo, traz consigo os elementos de uma mulher bonita, sensual, poderosa.

A atriz Patrícia Lucchesi, personagem da campanha “Meu primeiro sutiã”, veiculada no final da década de 80, é lembrada ainda nos dias de hoje. Mais do que isso, o nome da Valisere não caiu no esquecimento muito por conta desse episódio.

Viu como o poder de uma publicidade não se limita ao tempo? Então, aproveite para criar sentimentos.

3. Estabeleça o objetivo final

Depois de criar um conceito, pense na finalidade da campanha:

  • É o tipo de publicidade que visa uma percepção do cotidiano?
  • A intenção é fazer com que as pessoas queiram ser diferentes ou promover a aceitação?

Esses e outros questionamentos são fundamentais para você chamar a atenção para a sua marca.

Em uma publicidade de perfume, por exemplo, é muito comum que a mensagem transmitida desperte no receptor o desejo de ser como o emissor. Por isso, o modelo para esse propósito precisa apresentar uma beleza superior, pois se trata de algo idealizado.

4. Faça a seleção pessoalmente

Nas redes sociais, é possível encontrar fotos de todo os tipos — em geral, homens e mulheres comuns se destacam como verdadeiras beldades. No entanto, na maior parte das vezes, a realidade mostra o oposto.

Isso não é diferente quando selecionamos modelos para representar o nosso negócio. Para evitar problemas do tipo, temos uma dica: nunca bata o martelo a partir das fotos enviadas pela agência. Sempre solicite o teste presencial.

A tática é válida para você analisar se realmente o modelo atende ao conceito, bem como à finalidade da campanha. Além do mais, os indivíduos estão sempre mudando algum aspecto na aparência, e esse é o momento da averiguação de cada quesito:

  • A pessoa é tímida?
  • Fala bem?
  • Consegue absorver a mensagem?
  • Sabe se comportar em grupo?
  • É mal humorada?
  • É disciplinada?
  • Consegue transmitir elegância por meio do corpo?
  • É versátil?
  • É profissional?
  • Respeita os horários?
  • Quais são os seus objetivos de carreira?
  • Possui portfólio?

5. Determine os canais de comunicação

A etapa anterior acaba sendo um complemento para esta, porque, a partir da desenvoltura dos modelos, você é capaz de direcioná-los para os meios de comunicação adequados. No caso de o público-alvo ser mais extenso e complexo, o melhor é selecionar diferentes perfis e adotar aqueles cuja performance seja capaz de se conectar com o espectador.

Há aqueles cujas características são marcantes nas redes sociais, por exemplo. Esses atraem a galera mais jovem. Porém, encontramos também os mais versáteis — trabalham bem com vídeo, impresso e internet. Ou seja: definir isso está em suas mãos.

No caso de uma campanha em vídeo, o modelo precisa ter a capacidade de decorar textos, de atuar e de ter boa dicção, além de apresentar uma voz agradável, entre outros atributos. Nesse tipo de situação, faça testes de elenco até encontrar o perfil ideal. E, se o roteiro for estritamente confidencial, utilize um adaptado. 

Nem sempre é simples responder à pergunta: qual é o perfil de modelo para minha loja? Por isso, você deve se cercar dos conhecimentos básicos para chegar a um consenso que agrade ao público, gere vendas e estabeleça uma boa reputação da marca.

Vincular o nome de seu negócio a uma pessoa requer cautela, pois essa associação tem os dois lados da moeda. Então, não guarde essa informação com você! Que tal ajudar outros empreendedores? Compartilhe este conteúdo nas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *